Poesia {das Circunstâncias} do Tempo

domingo, 20 de janeiro de 2019



Sinopse:
A abóbada grandiosa está lá, esbelta / Na Igreja de Santa Isabel, em Lisboa / Os restauros correm lentos, com perícia a traço fino / Mas o céu / Dando corpo ao projectado / Já aparece luminoso / Completo / Raiado / Transparente de contente / Quando se olha pr’a cima / Em busca de sol com rima / Vê-se um muito céu aberto, seguro a descoberto / E dá para imaginar / Quão seguros vão aos pares / Os casais que ali respiram serenidade / E os grupos de crianças / Que crescem por baixo do que aparece / Todos ungidos na fé / Abstraindo a pintura / Observo com candura / O que está pr’além de lá / E dou comigo a pensar / Como outros a rezar / Vêem outro céu no céu / Onde podemos ficar, sonhando que esteja perto [Luís Pais Amante | Telheiras Residence | 13 Maio 18; 16h30.]

Índice:
Nota do Autor

Prefácio – O Tempo na Poesia de Luís Amante: Vida
Contemplativa, Instante Poético e (des)Causalidade

I – Tempo Contemplativo
1. Sala de leitura
2. As Marquesas
3. Andar sentada
4. Aqui sim, há amizade já, pá!
5. A “vernissage” da Pim(tora)
6. Caminhar sobre o Mar
7. Água tempo
8. Pontes de amizade...e carinho
9. Dia tempo
10. O tempo da revolta
11. O ritmo (biológico) do tempo
12. 13 (treze) momento
13. O Caminho
14. O tempo da justiça

II – Tempo Reflexivo
15. Seguimentos do tempo
16. O tempo... do meu tempo
17. Temporizar o tempo
18. A complexidade do tempo
19. Tempo, tic, tac
20. A capacitação do tempo
21. Tempo partido
22. Tempo suspenso
23. Tempo de despedida (temporária)
24. Os anos passam...
25. O meu Luís... do tempo
26. Que tempo é este, afinal?
27. Eu e o meu (não) Eu
28. O tempo sem sol

III – Des-Tempo
29. Sem-abrigo cem
30. Tempos de simplicidade
31. Calcutá
32. Passeio em estado líquido
33. Quatro beijos e um sorriso
34. E a janela partiu-se
35. Tempo ainda é dinheiro?
36. Mulher de Ipanema
37. Lisboa, agora
38. Tempo perigoso
39. O dia dos nã...morados
40. 13 Tempo
41. Tempo de cravos com margaridas
42. Escravidão, hoje

IV – Tempo dos Amores
43. Tempo(ral)
44. Esse tempo não existiu
45. Tempo de amor
46. Gueixa
47. Ilusão
48. O tempo do contratempo
49. Seca interrupção
50. Quadro
51. Poesia
52. Tempo sem tempo

V – Penacova no Tempo
53. Ter vontade
54. Hoje o sol é meu
55. Face a face comigo próprio, poeta de Penacova .... 102
56. Penacova Povo
57. Águas calmas, brisa lenta
58. O Natal do silêncio

VI – Tempo Futuro (intenção)
59. Projeto de vida
60. A minha Maria Mulher
61. Estado de mom
62. Perdida no tempo
63. A trilogia do (nosso) tempo
64. Madalena
65. É hora de olhar o céu


O AUTOR:

LUÍS MANUEL PAIS AMANTE
Nasceu em Penacova no dia 15 de Janeiro de 1954 e reside em Lisboa desde 1973. É Advogado, Gestor e Consultor e, também, entre outros, diplomado pelo MCE (Brugues); no ano 2000, a sua actividade como Presidente do Grupo Place e como Consultor Internacional, mereceu referência destacada no “International Who’s Who of Professionals”.
No que à actividade literária diz respeito, o seu primeiro poema publicado foi “Tempo de Paz”, em Fevereiro de 1973, sobre o fim da Guerra do Vietname; no ano de 2012, sua mulher Ana, publica, em edição de autor, Poemas a Recordar.
Os livros já editados pela Colibri – e pelo seu Editor Fernando Mão de Ferro – são Conexões (2016) e Reflexos (2017).
O seu poema Confissão foi musicado pelo jovem Maestro Pedro Rodrigues e faz parte do repertório do Coral Divo Canto.
É o actual Mordomo-Mor da Confraria da Lampreia e Presidente da Associação das Confrarias da Rota de Cister.
Tem dois filhos, a Carolina e o Filipe; e dois netos, a Madalena e o André.

Detalhes:
Ano: 2018
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 120
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-813-7


Festa do Barqueiro

domingo, 12 de agosto de 2018



É uma viagem ao passado, um encontro com as memórias e as vivência que faziam o dia-a-dia das gentes de Miro há, pelo menos, meio século. Um salto no tempo a bordo de uma barca serrana. Vinda da Figueira, a barca subia o Mondego, Carregada de sal e chegava a Vale dos Ladrões, local onde «as mulheres o descarregavam».

Com a barca vazia, era tempo para proceder ao carregamento para a viagem de regresso, a Coimbra e à Figueira. «Lenha, carqueja, vinho» eram carregados na barca, «que também levava «os romeiros que iam para a Rainha Santa ou para a Senhor da Serra», bem como «os pagadores da décima», que iam pagar este imposto a Penacova. Rumo a Coimbra seguiam, também, recorda Manuel Cunha Nogueira, «alunos e professores da Universidade», e também «as lavadeiras, com as respectivas trouxas de roupa, já lavada».~


A Casa de Bernarda Alba | Grupo de Alunos de Teatro de Penacova - Catrapum Catrapeia

segunda-feira, 18 de junho de 2018



O Grupo de Alunos de Teatro de Penacova - Catrapum Catrapeia (12+) apresentou a peça "A Casa de Bernarda Alba " de Federico Garcia Lorca com a participação do Coral Divo Canto.

O Bazófias | As cheias e a seca do maior rio que nasce em Portugal

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018



A curta-metragem “O Bazófias” da autoria de Paulo Lencastre Leitão da CentroTV foi escolhida para integrar a Mostra de curtas-metragens sobre a temática da Água no 8º Fórum Mundial da Água, que vai decorrer em Brasília (Brasil) de 18 a 24 de março deste ano.

Esta Mostra decorre da parceria estabelecida entre o município de Seia, através do festival e o Projeto “Portugal Rumo a Brasília”.

Eternamente II

segunda-feira, 21 de agosto de 2017




Sinopse do Livro

“Estava escuro e chuviscava. Dei por mim e ali me encontrava eu, outra vez, naquele bosque. Junto à mesma árvore onde estivera da primeira vez. Ouviam-se os sons típicos da noite. Tentei não ficar tão assustada como acontecera antes. Voltei a sentar-me onde me sentara, junto a uma árvore de copa larga e decidi esperar que aquilo passasse.


De repente, comecei a ouvir algo que se parecia com um choro. E não era muito longe dali. Entrei em conflito comigo mesma, pois não sabia se deveria ficar ali, ou seguir aquele som. Por um lado, sabia que podia arriscar muito se saísse dali, mas algo me puxava para ir descobrir o que é que se estava a passar. (…)


Sobre a Autora

Mariana Assunção nasceu a 21 de outubro de 1997, em Coimbra, onde permaneceu parte da sua infância. Mais tarde, mudou-se para uma localidade perto da vila de Penacova, onde vive atualmente.

Se há algo que a define é o facto de ser bastante sonhadora, tendo, por isso, uma imaginação muito fértil. Em simultâneo, esta característica conjuga-se com a sua paixão pela escrita que desde cedo se revelou.

Quando era ainda criança, adorava escrever contos com personagens e mundos inventados por si. Estes agradavam a quem os lia. Mais tarde, com apenas onze anos, conseguiu que uma história sua lhe desse um quarto lugar a nível nacional.

Além de escrever sobre o mundo fantástico, também escreve sobre os seus problemas do quotidiano, pois, para além de o papel ser um bom confidente, e segundo pensa, consegue exprimir-se mais facilmente pela escrita do que oralmente.

O gosto que sente ao escrever e a sua imaginação 

O Dia em que os Aviões deixaram de Voar

terça-feira, 11 de julho de 2017



Sinopse


Um intrigante artefacto dos tempos faraónicos, misteriosamente, ganhou vida provocando uma tempestade solar de proporções épicas. Carlos, de passagem por Macau, reencontra uma antiga paixão amorosa e é envolvido numa alucinante viagem por terras de sabor português, e não só... É-lhe confiada uma missão vital para a sobrevivência do planeta. Não há qualquer margem para erro. O mundo dependendo seu êxito. Como num filme de grande envolvência, e através de uma escrita fluída e repleta de pormenores históricos, sucedem-se então as peripécias de cinco gerações da família Vasconcelos, que decerto prenderão a atenção do leitor e o farão querer reproduzir a viagem do protagonista.

O autor Ricardo Santos, natural de Coimbra mas com forte ligação umbilical a Friúmes, terra natal dos pais, Adelino e Maria da Graça Santos, conta a história de um intrigante artefacto dos tempos faraónicos, que misteriosamente, ganhou vida provocando uma tempestade solar de proporções épicas. Tudo começou num dia em que o céu parou, deixando a Terra de rodar na sua órbita sempre tão segura, como uma abelha que se nutre dos primeiros pólens da Primavera. Nesse dia tudo mudou. Um qualquer desígnio superior incidiu sobre as águas mais calmas do lago mais azul e perfeito, e tudo se transformou num mar revolto de sentimentos e emoções.

No Mosteiro do Vale do Silencio

quarta-feira, 14 de junho de 2017



Um romance histórico “No Mosteiro do Vale do Silencio“ ficcionado sobre os beneditinos que estiveram no Mosteiro de Lorvão no século XII. Um romance com humor, filosofia e história, da autoria de Sónia Marques Carvão. Acessível a todos tal e qual o livro das Aves copiado por estes monges neste Mosteiro.

Sinopse

É uma obra que procura sensibilizar para uma época e para um Mosteiro que foi o berço de Portugal, no que diz respeito a sua constituição, cultura, arte das iluminuras e à contemplação. Para além disso, promove a região, o seu património religioso e ambiental com uma história criada, onde as personagens pertencem ao romance só e exclusivamente, embora com alguns aspectos retirados de factos históricos. Também o diálogo foi criado, sendo a expulsão correspondente ao facto histórico. O romance tem etapas que dão um salto até ao ano 1184, daqui ao ano 1211 e por fim aos anos 2016-17. Em 1184-1211 foi o espaço e tempo em que a Regra de S. Bento esteve presente pelos Beneditinos até que se viram, e passo a citar a Professora Doutora Maria Alegria Fernandes Marques “envolto num processo de difamação e perseguição (…) e (…) talvez mesmo, segundo (…) o Professor Doutor Nelson Borges, no significativo dia de Véspera de Natal do ano 1205”.

Sem adesão ao Acordo Ortográfico.

Autora: Sónia Marques Carvão
Data de publicação: junho de 2017
Edição: Município de Penacova
Género: Ficção

Idioma: Pt

Reportagem RTP - Museu Vitorino Nemésio (Penacova)

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017



Localizado no Lugar da Portela de Oliveira, em pleno perímetro florestal da Serra do Buçaco, o Museu do Moinho Vitorino Nemésio, encontra-se instalado na casa de férias do Eng.º Arantes de Oliveira, Ministro das Obras Públicas no anterior regime, espaço adquirido na década de oitenta pela autarquia.

Em 1980, o moinho Vitorino Nemésio foi doado pelos herdeiros do escritor à autarquia, que o recuperou proporcionando-lhe a funcionalidade de outrora. Vitorino Nemésio, que foi Presidente da Associação Portuguesa dos Amigos dos Moinhos e " incansável moleiro das palavras", no dizer de David Mourão Ferreira, foi proprietário de três moinhos no concelho de Penacova, cujo património natural lhe serviu muitas vezes de inspiração, tornando-se uma incontornável referência cultural do Concelho.

Com o objectivo de preservar a história dos moinhos de vento e água e a memória dos seus moleiros, o município de Penacova realizou, ao longo do ano de 2015, obras de remodelação e musealização do Museu do Moinho Vitorino Nemésio.